14 de janeiro de 2010

O encontro - Parte I

Há muito queria voltar ali. Deu mais alguns passos e se abaixou para desviar de um galho seco que ainda se ligava fragilmente ao caule grosso. Aquele lugar era especial, muitas vezes estivera ali, sozinha ou com ele. Quando jovem era mais fácil chegar, subia correndo o morro, sentia o vento vir com força ao seu encontro e bagunçar seus cabelos. Simplesmente ria. Agora subiu a passos contidos, não sabe se por não conseguir ou se por não querer reproduzir o tempo que passou.

Caminhou em volta da árvore procurando alguma mudança, mas tudo parecia estar como ela havia deixado, exceto, a marca talhada a altura de seu peito. Os nomes quase foram encobertos pelas rugosidades que nasceram, mas ainda estavam ali, os dois. O dela vinha acima e logo abaixo o dele. Quando ele, de posse de um canivete quis ali deixar escrito, disse a ela que deixaria seu nome primeiro, como ela eternamente estaria em sua vida. Lembrou-se de dar risada quando ele disse "estamos unidos agora, nada nos separa". Ao se lembrar sentiu os olhos umedecidos, as lágrimas ameaçarem, mas não podia, jurou ao próprio dono do nome que nunca mais ia chorar por ele. Estendeu a toalha e sentou-se junto ao caule, fazendo dele um encosto para suas costas. Teve o cuidado para sentar-se bem embaixo de onde estavam as letras.

As lembraças eram tão vivas que tudo parecia ter ocorrido ontem. O encontro, a amizade, o amor, sentimento que os tomou quando crianças e os seguiu vida afora. Se amaram desde o primeiro momento, como se há muito se conhessessem. Lembrou do quanto ele a admirava. Ele era tímido, ao contrário dela, pouco se arriscava, tinha medo de se machucar. Ela não, era inconsequente, tinha uma coragem que muitos homens invejavam. Ele não sentia inveja, mas a admirava. Ela era e fazia tudo o que ele queria ser e fazer, mas faltava coragem. E ela tinha nele o seu apoio, as rédeas que tanto lhe faltavam. Ele era a razão frente a tanto sentimento, ela era o sentimento para tanta razão.

"Teria sido tão perfeito...", pensou.

7 comentários:

Bia Monteiro disse...

Vc já disse:
PERFEITO!
Bjooo anja... hehe
=)

FatoSempalavras. disse...

Quanto mais forem vivas as lembranças, mas iremos à fundo, mas podemos desvendar toda a dor, ou, nos martlizrmos em busca de um amor.

"Teria sido tão perfeito..."??? ainda pode ser, basta querer!

Gostei.

Incontáveis abraços.

FatoSempalavras. disse...

Ah, estou em seus seguidores desde já, ok???

=)

Se puder, faça parte da nossa comunidade -, sim, esta também é sua já que escreves =)

http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=96229629

Angel disse...

Ei, Bia, que bom que gostou! Espero que goste do final, também... Volte depois!

Abraços!

Angel disse...

Lagos (assim devo chamá-lo?), que prazer o meu ter sua visita. Venho lendo seu blog há alguns dias, e adorei seus textos!

Realmente não sei se foi, ou se ainda pode ser, perfeito. Vejamos o que diz o final... rs.

Quanto a comunidade, não tenho orkut celestial, mas estou pensando em criar um...

Abraço, meu caro!

Jacque disse...

Hum... nostálgico! O que teria acontecido? Gostei muito. Ansiosa pelo desfecho.

Abraço!

Angel disse...

Ei, Jacque, o final já está escrito... Só ainda não postei porque... porque... bem, depois eu digo porque.

rs.

Abraço carinhoso, minha amiga!

Postar um comentário