3 de janeiro de 2010

Entre leões e sentimentos

Estou entre leões, com garras e dentes afiados prontos a me devorar. Famintos, ficam na espera de qualquer deslize meu. Enquanto estou de pé, armas em punho, eles não me alcançam, pois sabem que se aproximando eles vão se machucar, mas se eu cair certamente não conseguirei mais me defender.

Eu não sei até quando vou resistir. Minhas forças, antes inesgotáveis, estão se esvaindo a cada dia que passa, a cada ato torpe e dissimulado. O alimento que me era dado e que recobrava minhas formas é cada vez mais escasso, e o que antes era demasia hoje não passa de migalhas, que se reduzem, dia-a-dia. Eles são muitos e eu luto sozinha, o que os torna ainda mais fortes. Talvez me devorem, eu não sei.

Talvez eu morra, e tudo aquilo pelo que lutei seja por eles tomado. Mas se eu morrer, levo comigo algo que de mim jamais poderá ser tirado, algo tão puro que eles, com seus corações maldosos, nunca poderão ter. Os leões podem comer minha carne, e vitoriosos, dela se apossar, mas aquilo que tenho de mais valioso dentro de mim não será dado. Os sentimentos, estes, eles não terão jamais.

11 comentários:

Luís Gonçalves Ferreira disse...

Bem, que reflexão espectacular.
É uma visão muito positiva dos Homens, mas, tantas vezes, o exterior é mais importante, para essas mentes andantes, que o interior. Parece cliché, mas, repare, este conhecimento que travamos pela blogosfera não é carnal nem real, mas tão-só sentimental. Ou seja, as letras, por força do sentimento e da construção interior, revelam tanto de nós como o corpo. As agressões externas magooam-nos de mais porque não nos sabemos proteger ou ter essa sua energia de não ser magoado. O melhor ainda são as recordações e os sentimentos pelo que nos rodeia. Não são materiais, daí que não há corrente que os prenda ou "leão" que os mutile. O problema é que o pendor do nosso auto-flagelo vem de fora para dentro, quando deveria ser o contrário: o interior a influenciar o exterior.

Bem, acho que isto ficou um bocado confuso. Mas falar de sentimento é meio confuso também.

Um beijo!

Jacque disse...

Isso realmente ninguém nos tira! Podem brincar com eles, desacreditá-los, fazer com quê cheguemos ao ponto de duvidar que eles existam, mas arrancá-los de nós é impossível! Parei, li e pensei muito sobre o que escreveu, e tenho a te dizer as velhas palavras de sempre: "Tudo realmente vale a pena".

Abraço, e bom domingo!

Juliana. disse...

Acredito sempre que teremos sempre força, não sei onde as encontramos, mais sempre e de alguma forma as possuímos!
Bjos, ótima reflexão sobre o sentir..

Angel disse...

"O problema é que o pendor do nosso auto-flagelo vem de fora para dentro, quando deveria ser o contrário: o interior a influenciar o exterior."

Luís, você não imagina a força dessa tua constatação aqui, em mim. Me fez pensar, e você está certo.

Obrigada pelo comentário!

Abraço.

Angel disse...

Jacque, vai ver, no fim, somos apenas isso, sentimentos. Os mais variados. E isso, minha cara, ninguém nos tira.

Ótimo domingo pra vc tbm! Abraço.

Angel disse...

Juliana, somos mais fortes do que acreditamos ser, isso é um fato. Mas infelizmente, descobrimos isso apenas diante das dificuldades, e usamos nossa força para nos reerguer. Muitas vezes não a usamos para nos colocarmos ainda mais altos e reduzir as possibilidades de queda.

Confuso? Não sei... mas, é isso.

Abraço!

Sr. OverGround disse...

O sentir.. É! O sentir! Nada como sentir o calor, o frio, a fome, a sêde, o ódio, o amor, o rancor, o odor, o rescor e a dor! Quantas sensações temos? Quantos desejos temos?
Pelo mundo ouví sobre sentimentos e sensações e uma suposta invéja que os anjos tem dos humanos. Loucura!
Seu texto me relembrou a história de Daniel na cova dos Leões..

Muito obrigado pela visita..^^
Até breve!

Angel disse...

A inveja existe sim, meu caro! Mas ser um anjo tem lá suas vantagens... rs.

Abraços, Sr!

leonel disse...

Não estás mais sozinha, Angel! Posso ser só mais um simples mortal, mas se for pra morrer mesmo, prefiro morrer lutando junto com vc...

Tu serás sempre o meu anjo da guarda, mas, eu sempre estarei bem perto, tentando tb te proteger...

Afinal, não é assim que deve ser? Tu me guardas a vida, e, eu dou a minha por vc...

Abraços de um mortal!

Angel disse...

Ei, leo... Como é bom saber que tenho um guardião ao meu lado... Luta comigo e tenho certeza de que nada nem ninguém poderá me derrubar.

Abraço.

Angel disse...

Leo... Preciso reformular parte do que eu disse neste último comentário... "luta comigo e tenho certeza de que nada nem ninguém poderá nos derrubar".

Gosto muito de você, mortal. Não é atoa que sou teu anjo da guarda...

Abraço.

Postar um comentário