12 de fevereiro de 2010

A espera da tempestade

Pressinto o mal tempo chegando, exatamente como o pescador ao avaliar o mar. Ele olha a direção do vento, sente sua força, avalia o quão frio ele toca sua face, ele vê o vai e vem das ondas, o vibrar da maré, o pescador aprendeu, com o passar dos anos, a ler as entrelinhas do mar. Assim como ele aprendi a leitura, e com ela consigo prever o tempo que virá. O pescador prevê as tempestades que impedirão seu trabalho, e eu, prevejo as tempestades que atormentarão a minha vida.

Se ganhei algo nestes últimos anos foi experiência, aprendi a ler atos, a ler as entrelinhas por entre as frases, a sentir a intensidade com elas vão e vem e se apresentam, aprendi a perceber o aviso sutil das coincidências. A vida me foi escola e hoje, olhando para trás, percebo a quantidade de ensinamentos que absorvi. E é assim que estou a prever o mal tempo que anuncia a pior das tempestades, se é que isso ainda é possível para mim.

A diferença é que, desta vez, eu já estarei pronta, já sinto como virá e a força que terá, e diante disso, me preparo como convém. Já enfrentei tantas tempestades, visíveis e invisíveis, já cai e me levantei tantas vezes, erroneamente enfrentei tudo sozinha. Desta, vez, se for preciso partirei em busca de quem me ajude, como ameacei fazer em outra ocasião, mas, por medo, não fiz.

Venha como achar que deve, venha como achar que eu mereço, mas venha na certeza de que já estou a sua espera, e como o pescador que supera a ira do mar eu assim farei, e por mais que você tente, não vai conseguir me derrubar novamente.

10 comentários:

Jacque disse...

Não sofra por antecipação, Angel. A vida não são só tormentas, você sabe disso. Se quiser evitar as que virão, fuja do mal tempo, dos dias de nuvens carregadas, só você sabe como fugir disso, pois só você sabe onde seu coração encontra a calmaria.

Um beijo!

Bia Monteiro disse...

Venha e pronto!
Lindo amigaaa..
Bjo pra ti...
bom carna aê pra vc...
E até o retorno!
=)

.Leonardo B. disse...

[veio à memória uma canção, antiga, do Sérgio Godinho (bom... as canções deste, nunca são antigas), que consta assim:

Tantas vezes fui à guerra
que só sei é guerrear
eu gostava um destes dias
de ter tempo de amar

Tenho pistolas de prata
tenho uma bala dourada
se não tenho o teu amor
não me servem para nada

Nem aos deuses nem à morte
peço perdão do que fiz
já não suporto bem a dor
já só quero é ser feliz

Olarai, assim é que se vai
olarai, assim é que são
olarai, as gentes que farão
que os dias maus já lá vão

Nada vale o que é de mais
em lhe dou nenhum valor
eu só trago no bornal
valentia e destemor

Só me rendo, quando muito
quando a morte me atingir
a minha bandeira branca
é o lençol que me cobrir

Nem aos deuses nem à morte
peço perdão do que fiz
já suporto bem a dor
já só quero é ser feliz

... pode não consolar muito, mas por vezes serve-me de trajo de batalha]

um imenso abraço

Leonardo B.

Angel disse...

Ei, Jacque, concordo com você. Quando o mal tempo se anuncia é uma chance que temos de nos abrigar da tempestade, em um abrigo quentinho eseguro. Mas de algumas tormentas não podemos fugir, é preciso levantar a cabeça e encará-las de frente, com toda a força que temos dentro de nós. Vencê-las pode ser a única maneira de nunca mais ter que enfrentá-las.

Pra pensar... Gostei da sua visão!

Abraços, Jacque!

Angel disse...

Bia, é isso ae! Que venha, e pronto! A gente encara!

Obrigada pelo carinho... Ótimo carnaval pra você, divirta-se bastante!!

Abraços!

Angel disse...

Leonardo, que linda letra! Confesso que não conhecia, e já fui dar meu jeito de ouvir também. Traduz bem o momento, e complementa lindamente o meu texto. Se não há saída, é porque a única saída é encarar de frente. E é como dizem, depois da tempestade sempre vem a calmaria.

Faz bem acreditar nisso, nos dá força!

Obrigada pela visita! Abraços, e bom feriado.

O Profeta disse...

Chove no Mundo
O céu envolveu o verde com seu manto
Será que os Anjos andam a brincar com as nuvens
Ou é apenas um deus que verte seu pranto

Chove no Mar, água na água
A maresia ostenta um diadéma de sal azul
Uma bruma envolve o meu querer
Há um pronúncio de saudade vinda do sul


Bom carnaval


Doce beijo

Angel disse...

Que lindo poema! Fui, então, conhecer teu blog, caro profeta, e que maravilhosa surpresa! Ganhou uma leitora fiel.

Abraços.

Viviane Zion disse...

Angel! Quanto tempo...
Venho sempre aqui. Nnem sempre comento mas leio tudo.

Sobre a espera... Há um antigo provérbio que diz: "se o agricultor observa as estações, acaba por descobrir o tempo certo de plantar e de colher".

Felizes são os que dedicam o seu tempo a perceber o que se passa à sua volta. Creio que só somos pegos de surpresa por uma crise, se não estivermos atentos às voltas que a nossa vida dá!

Força aí nessa tempestade eminente. Bom Carnaval (apesar de eu detestar essa data, como a quase todas as outras datas "comemorativas" que existem).

Beijoca.

Angel disse...

Oi, Viviane, que saudades suas! Que bom que você vem sempre no meu cantinho, gosto muito das pessoas que conheci aqui.

Pois é, algo aqui dentro me diz que maus tempos se aproximam, mas estou disposta a enfrentá-los, como for, sozinha ou não. E no final, dará tudo certo.

Bom carnaval para você também, minha amiga! Somos duas a não gostar da data... Vou aproveitar para descansar bastante, isso se minha hiperatividade deixar!

Abraços!

Postar um comentário