25 de fevereiro de 2010

Como morrer ao telefone

Hoje de manhã, telefone toca, eu atendo:

"Por favor, a Angel"

"Sim, é ela, pode falar"

"Angel, a srta conhece a K.?"

"Conheço duas K., a qual você se refere?"

"Ela é nutricionista, tabalha..."

"Ah sim, sei quem é"

"Bem, eu tive o prazer de conhecê-la e estou ligando em consideração a ela... Ela me deu seu telefone e pediu que eu te ligasse, sabe..."

Coração acelerado, o corpo gelou inteiro na mesma hora, precisei me sentar, imaginei logo o pior, afinal, aquele tom de voz um tanto fúnebre, e o jeito que ela falou comigo... "Ai, meu Deus" pensei.

"Bom, ela está fazendo inglês aqui conosco, em um módulo avançado direcionado a profissionais de ensino. Estamos disponibilizando duas bolsas parciais e ela disse que a stra poderia se interessar"

Eu ainda tremendo, mas já mais calma e com muita, muita raiva...

"Nossa... Não, obrigada, por hora penso em aprender outra língua..."

"Ok, obrigada pela atenção"

Liguei para a K. na mesma hora e contei o ocorrido. Ela? Riu horrores e disse "Eu sabia que você me ama. Não vai viver sem mim nunca mais, né?!".

¬¬

Depois pediu desculpas e disse que não era culpa dela. Eu sei que não era, a culpa foi da atendente que com certeza faz isso de propósito. Deve dar altas risadas vendo o desespero alheio do outro lado da linha.

¬¬

3 comentários:

Fabrício Santiago disse...

O pior é qdo o telefone toca e a gente supõe ser alguém que ansiosamente esperamos que ligue, mas não temos coragem de ligar, dai vc atende e é mesmo a tal pessoa.....dá um branco, as palavras somem....hahaha

Fabrício Santiago disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Fabrício e cheguei até vc através do blog Passando a Limpo o Passado. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir meu blog Narroterapia. Eu sei que é ridículo da minha parte te mandar essa propagando control c control v, mas sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas no blog do Leonel, ele inclusive é seguidor do meu blog, claro que ela faz isso mais por gentileza do que pela qualidade do meu texto, mas estou me aprimorando, e com os comentários sinceros posso me nortear melhor. Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs


Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.


Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.


Abraços

http://narroterapia.blogspot.com/

Angel disse...

Oi, Fabrício. Agradeço a visita e pode deixar que estarei por lá, no seu blog.

Abraços!

Postar um comentário