3 de março de 2010

Silêncio

Hoje não há o que ser dito, não hoje. A menos que você volte, e a dor cesse, e o silêncio acabe, e eu entenda, finalmente, o que é ter um pouco de paz. Mas como nada disso irá acontecer, que o dia de hoje seja penitência, uma parte do castigo imposto à mim por amar tanto você.

16 comentários:

Reyel Angel disse...

Espero que fiques bem, querida.
Bjo grande na sua alma linda!

Angel disse...

Não é de hoje que dias nublados não me fazem bem, querida Reyel.

Obrigada pelo carinho!

:)

Abraços.

Olavo disse...

Amor sempre castiga...inevitavel
Beijos

Angel disse...

E cá entre nós, isso não faz nenhum sentido, não é Olavo?

Feliz com sua presença, volte mais vezes!

Abraços.

Luís Gonçalves Ferreira disse...

A vida é feita dessa polaridade e das nuances entre o bem e o mal... Tudo mora nessa dicotomia. Aliás, os próprios homens existem assim, entre um céu e um inferno, sendo crente ou não de uma religião qualquer. E o amor tem nuances, como a vida, porque faz parte dela.

Beijoooo :)

Angel disse...

Sábia reflexão, Luís! Se nada é perfeito, porque o amor haveria de ser?

Abraços!

shintoni disse...

Angel:
Seu texto "Sou eu, e um pouco mais..." foi postado no Duelos Literários. Muito bonito e inspirado!
Valeu mesmo! Envie sempre!
Abraço e tudo de bom!

Angel disse...

Que ótimo, fico feliz!

Obrigada, e até mais.

Abraços!

Juliana. disse...

Angel, interessante que quando temos alguém que gostamos queremos paz pela bagunça que vira a mente e o coração, mais só estaremos em paz quando estivermos perto deste e as palavras forem todas resolvidas!
Um beijo amiga!

Angel disse...

Verdade, Juliana, quando as palavras são ditas pela metade e não se dá um destino certo ao relacionamento, mesmo que o fim, dá-nos uma sensação de impotência, de tristeza mesmo. Ao menos, é assim que me sinto.

Abraços, querida Juliana! E pababéns por um ano do seu blog Palavras.. em Vão (http://palavraemvao.blogspot.com/)!

Bleeding_Angel disse...

Acredite, me senti EXATAMENTE assim ha pouco tempo, apos um rompimento amoroso, um relacionamento q durou mais de um ano. De fato, eh barra...
Love hurts. rs

Angel disse...

rs... Fomos jogados a própria sorte então, meu caro, e nos resta contar com o tempo. O que ele reserva? Cura? Volta? Esquecimento? Vai saber...

Abraços!

Viviane Zion disse...

Amo o silêncio!
Por mais dolorido que possa ser.
Engraçado porque essa semana estive lendo, escrevendo e pensando exatamente sobre o silêncio. Devo postar algo por esses dias.

Post curto, porém denso esse seu... ui!

B-jo.

Angel disse...

Viviane, eu sempre gostei do silêncio também, mas confesso que ultimamente ele tem me assustado.

Ficarei no aguardo de seu post!

Abraços, minha amiga, e obrigada!

ErikaH Azzevedo disse...

O pior silencio é esse que nos fala dentro qdo se cala tudo aquilo que necessitamos desesperadamente ouvir.

um bjo

Erikah

Angel disse...

Definitivamente, Erikah... Calar sem querer, calar porque quem deveria falar simplesmente não fala... É uma mistura de impotência, de raiva, de tristeza, ao menos pra mim. Mas um dia isso acaba, ou porque a voz rompe o silêncio, ou porque deixa de ser importante ouví-la.

Abraços!

Postar um comentário