4 de março de 2010

A sociedade, a consciêcia, a diferença...

Já não sei mais o que é ser livre, se é que um dia eu realmente soube o que liberdade vem a ser. Meus passos já não posso dar, me querem como uma marionete, presa e guiada pelos fios de uma sociedade que exige sem dar nada em troca, uma criatura obrigada a imitar o criador, sob pena de ser julgada, condenada e excluída se não o fizer. Que mundo é esse que seleciona por dinheiro, por peso, por cor? De onde surgiram estes valores, e desde quando a hipocrisia se tornou uma virtude? E querem que eu me enquadre a qualquer custo, me colocam numa espécie de “mata ou morre”, me fazendo pensar que morre por dentro, sozinho e infeliz, quem não se adéqua.

A sensação que tenho é que ser diferente é ser anormal, e que desafia tanto quanto quem comete algum crime previsto por lei. Ser diferente não é mais legal, como falavam na TV, agora é quase ilegal, isso sim, e quem quiser comprar a briga e desafiar o senso comum, deve estar ciente de que viverá a vida toda em guerra, numa espécie de “eu contra todos” cuja única recompensa será a consciência de que ao menos você não se corrompeu.

E dá-se algum valor à consciência por acaso? Não, meu caro, nenhum. Mas é essa maldita consciência que me fez escrever este texto, e que não é só minha, porque contrariando as expectativas ela ainda sobrevive em muitos por ai. É ela que nos dá voz ativa neste mundo de condescendentes, e abre os olhos para o caminho absurdo que a sociedade escolheu seguir.

Não sei até quando haverá quem nade contra a maré. Mas peço todos os dias, que se um dia este pensamento distorcido estiver perto da unanimidade, que eu não esteja mais aqui, porque isso é algo que me recuso a ver.

8 comentários:

Reyel Angel disse...

Amiga! Amo ter conhecido vc e saber que vc tbm não é desse mundo. E vamu que vamu, pois juntos somos mais.
Bjos na alma!

Angel disse...

Querida, Reyel, obrigada! Fiquei muito feliz com seu comentário, é muito bom conhecer alguém que se identifica com meus pensamentos. Me sinto menos "solitária", sabe.

Foi um prazer conhecer você também!

Abraços, minha amiga.

Thiago Gacciona disse...

Eu acho que existem diversos graus de diferenças e divergências na sociedade. Precisamos nos adequar a muito, é claro, mas ainda temos direitos a muitas escolhas e caminhos. O verdadeiro problema é encontrar o caminho que realmente nos aceite e nos torne feliz!

Mas afinal nunca ninguém nos disse que viver seria fácil, não é?

Beijos!

Angel disse...

Concordo, Thiago. É que detesto viver em uma sociedade preconceituosa, excluidora. O fato é que as pessoas são mesmo diferentes, e viveremos melhor perto dos que nos aceitam, com certeza

Abraços!

Bleeding_Angel disse...

"quem quiser comprar a briga e desafiar o senso comum, deve estar ciente de que viverá a vida toda em guerra, numa espécie de “eu contra todos” cuja única recompensa será a consciência de que ao menos você não se corrompeu."

Essa eh a minha constante, talvez por isso eu seja taum solitario, excluido e isolado. Me nego a ser hipocrita e naum demonstrar o q sinto e penso.
Bjos

Angel disse...

E tem meu total apoio, amigo anjo! Nossa essência é o que temos de mais precioso, que a sociedade insiste em tentar corromper.

Nunca estará sozinho enquanto houver quem pense como você. Eu penso, muitos pensam. vê? Nunca estará sozinho, meu caro.

Abraços!

Desabafando disse...

Adorei o texto e vc tem toda razão! É anormal ser diferente, eu que o diga que sou bem diferente (não fisicamente mas em termos de atitudes e mentalidade), sofro muito com essas pessoas que querem me enquadrar em rótulos bonitos e encaixotar em padrões com os quais não concordo.

Angel disse...

Fico feliz que tenha vindo, Desabafando... Me identifiquei com seu último post e quis compartilhar este com você.

Abraços!

Postar um comentário