15 de abril de 2010

O comentário que virou post

Eu às vezes me pergunto, se sou eu quem dá vida à escrita, ou se é a escrita que dá vida a mim. E eu fico sem resposta, mas pudera, eu sequer tentei responder. Talvez, eu nunca descubra, mas, será mesmo que eu preciso saber? Então deixo assim, como está, deixo a palavra nascer franzina neste meu peito apertado, permear pela minha mente a tomar força e ganhar o mundo pela ponta dos meus dedos. Deixo ser, deixo estar. Quando escrevo dou voz a quem sou de verdade, à menina tímida e cheia de sonhos que se recusou a crescer. O que é certo? Posso dizer. A escrita deixará de ser minha, mas, apenas no momento em que eu morrer.

Porque vivemos de água, ar, e poesia.


Este post foi um comentário que fiz no blog da ErikaH (mudei umas palavrinhas apenas). Seu blog é inspirador, amiga, cada post lindo que... desperta isso em quem lê. Não ficou a altura do seu, mas releve, foram segundos de empolgação pela escrita... rs.

20 comentários:

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Que bonito esse post. Realmente, nossas idéias (escrita, etc) só deixam a gente qdo a gente morre.
Lindo comentário.

Erica Vittorazzi disse...

Que post lindo!!!! Para mim, sem dúvida, é a escrita que me dá vida!!!

Beijos

Marcelo Mayer disse...

o homem suspira
a mulher ama
o poeta poema

Desabafando disse...

Sabe que às vezes eu acho que a escrita que dá vida a mim? É curioso mas encontrei, através da escrita, uma válvula de escape pra me expressar, descobrir coisas sobre mim mesma e resolver conflitos. Acho que vou morrer escrevendo...rsrsrs....

Angel disse...

Obrigada, Alexandre! E olha que nos abandonam, mas, o que foi escrito e repassado, poderá ser relembrado eternamente.

Abraços!

Angel disse...

Erica, obrigada! É sempre bom ter por aqui outros que, como eu, sobrevivem em algumas linhas.

Abraços!

Angel disse...

E todos são felizes, Mayer?

Angel disse...

Desabafando, somos duas. Ou vivemos ou não escrevemos, as duas coisas é impossível!

Abraços!

leonel disse...

A escrita sempre esteve em ti. Agora, tu estás a desafogá-la, e, descobriste que ao alforriá-la tu também estarias criando asas para prosear sobre o que dantes nunca fora permitido. E soa quase como um alívio esse tal de escrever. Tu podes até te calares, mas a escrita jamais vai permitir que tu venhas a emudecer.

Beijo de um mortal aliterado.

P.S.: Enquanto te escrevia este comentário, ganhei duas picadas de mosquito no braço esquerdo. Comento no teu blog, e, tu me mandas os mosquitos me atacarem????

ErikaH Azzevedo disse...

Já aconteceu isso comigo algumas vezes , de um comentário meu eu querer fazer virar um post, tão mágico isso né...é que palavra atrai palavra assim como sentimento atrai sentimento.

Bjos flor...adorei o fim, deu ainda mais sentido ao que escreveste.

Erikah

Juliana. disse...

A escrita demonstra quem somos, interessante Angel, que conheço assim amigos, que lêem os meus versos e eles me dizem: naquele verso tinha muito de você! Não acho que só naquele verso mais até nas escolhas das palavras, então elas são nossas e nunca deixam de ser!
Um beijo minha amiga!

Meri Pellens disse...

Realmente acho q me expresso melhor escrevendo q falando rs.. Alguns comentários meus tbm já viraram post.
Bjok! Namastê!

Angel disse...

Leo, acho eu que seu comentário também daria um texto! rs... :)

Obrigada pelo carinho, de verdade.

E quanto aos mosquitos, fico feliz que tenham feito o "serviço" direitinho. Comece a ser um menino bozinho que nada disso vai acontecer de novo... (quer dizer, atendendo a pedidos angelicais, claro).

Angel disse...

Verdade, ErikaH. Não são apenas os opostos que se atraem, felizmente.

Fico feliz que tenha gostado, minha amiga!

Angel disse...

Ju, sabe que já me disseram isso também? Que é possível ver traços meus, particulares, na minha escrita. E pedaços de mim, então... nem se fala!

Abraços, amiga Juliana!

Angel disse...

Meri, agora que você falou, fiquei pensando... Eu fiquei sem escrever assim por um tempo, de alguma forma procurei me expressar falando, e abandonei a escrita. Mas voltei a escrever há uns anos, e desde então nunca parei. E agora, acho mesmo que expresso o que sou, escrevendo, mais que falando. Será que isso é bom? Não sei, mas... acho que vou tentar equilibrar melhor isso.

Obrigada pela visita, minha amiga, e por me fazer pensar isso tudo ai!

Priscila Rôde disse...

Que a poesia viva sempre em você.

Um beijo enorme.

Angel disse...

Em nós, Priscila!

Abraços.

Bleeding_Angel disse...

Comigo jah aconteceu num blog anterior, um comment q virou post.
Soh discordo de uma coisa ai, a escrita naum deixa de ser nossa qndo morremos, mto pelo contrario, eh o legado q deixamos pra humanidade.
Bjos colega de nuvem.

Angel disse...

E um legado de imensa responsabilidade, amigo anjo! Concordo com você, o que foi dito, fica. Só morre com a gente o ato de escrever.

Abraços!

Postar um comentário