29 de dezembro de 2011

Do que não se escreve...

Não há palavra que defina, nem texto que descreva. Se ao menos eu fizesse versos... Se ao menos eu juntasse rimas... Se eu tivesse o mínimo de talento para que a obra-prima não fosse, sempre, um mísero esboço... Eu te alcançaria? Minhas palavras te fariam saber o que desconheço? Pois eu só tenho um papel em branco, amor... As letras nunca foram minhas. E se não te escrevo o melhor dos textos, que você saiba apenas que o amor nunca caberá em linhas, e que neste peito antes vazio e em completo desgosto, hoje habita o mais nobre dos sentimentos, que mesmo em silêncio é de todos o mais grandioso. Parte da minha alma agora é tua, ao contrário do meu coração... Este eu te entreguei por inteiro.

7 comentários:

Leonardo Camilo disse...

Ah minha amiga amar é algo nobre nos inspira a coisas que não conseguimos jamais expressar de maneira peculiar e particular!Me vi nas linhas desse seu texto e assim a arte da vida é nunca deixar de acreditar no amor!!!!!!!!
depois passa no meu canto lá http://raridadesromaticas.blogspot.com/2011/12/j-v-b-m.html

Danilo MM disse...

Não se abre mão de um coração.

Fábio Pedro Racoski disse...

Desculpe-me a intromissão de um meme, mas só ele define o que senti ao ler seu texto: http://www.cataclisma.com.br/wp-content/uploads/2011/12/Crying-meme.png

Marcelo Mayer disse...

Felizes os que não escrevem!

Emilly McRose disse...

Faz um tempinho que não comento, mas saiba que estou sempre por aqui. :D

Acabo de completar 2 anos de namoro. Esse post aqui foi especialmente, tocante.
Como sempre, me identificando com o que vc escreve.
<3

Rafael Castellar das Neves disse...

Pior que é assim mesmo, né?

[]s

Cria disse...

Escreves com muita propriedade e inteligência, parabéns ! Meu carinho.

Postar um comentário